quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Gripe Suína - História infantil

Era bem cedo! O sol ainda estava escondido atrás do morro e fazia muito frio. Coisas do nosso rigoroso inverno!

Papai e mamãe estavam na cozinha, enquanto o fogão a lenha aquecia o café e a casa. Minha irmã e eu comemos e tomamos alguma coisa quente.


Depois de escovarmos os dentes saímos bem agasalhados em direção à parada para esperar o ônibus rumo à Escola. Embarcamos.


Chegando lá ficamos um tempinho no pátio, onde já estavam quase todos e se queixando do frio. Mas logo tocou a campainha e cada um foi para a sua sala.


Começava o último dia letivo do primeiro semestre e nossa professora aproveitou a ocasião para falar sobre esta nova gripe, chamada de suína ou simplesmente gripe do porco.


Além de explicar tudinho ela escreveu várias recomendações no quadro e nós anotávamos no caderno, a fim de mostrar aos familiares e não esquecer.


Entre os importantes conselhos da nossa professora, estavam os de lavar muito bem as mãos, manter bem limpa nossa casa e tudo que há nela, nossas roupas e os demais utensílios, evitar aglomerações de pessoas, principalmente em recintos fechados, onde crescem os riscos. Perguntamos se a sala de aula não era um local desses e ela concordou.


Ela também falou para ficarmos atentos caso sentíssemos alguma alteração em nós mesmos, como espirros, dores no corpo, febre alta e repentina, tremores, cansaço, ardência nos olhos ou outros sintomas.


Caso notássemos algo, deveríamos procurar o Posto de Saúde mais próximo para uma avaliação do médico. A professora disse para ninguém comprar ou tomar remédio sem receita, porque é perigoso!


A aula estava super legal e prestamos tanta atenção que nem notamos o relógio avançar as horas. Até levamos um susto quando a campainha anunciou o recreio.


Voltamos para o pátio e ao invés de ficarmos entretidos com o joguinho de bola preferimos trocar idéias e opiniões com os colegas sobre esta gripe. Enquanto isso, do outro lado da cerca passou um homem espirrando muito. Ele usava uma máscara de proteção no rosto, daquelas branquinhas vistas na TV. “Deve estar vindo do atendimento médico e indo pra casa repousar”, imaginamos. Isto deve ser feito por todas as pessoas com suspeita de gripe, seja a do porco ou a comum...


Terminou o recreio, voltamos à sala onde ficamos até o final da aula.
Agora estamos em férias e elas deverão prosseguir devido à perigosa gripe. Só não sabemos até quando... Saúde a todos!

Autor: Luciano Schüler


Agradeço ao amado Luciano, por está bela história que relata a trajetória de um dia da vida escolar em tempos de gripe suína.