segunda-feira, 2 de novembro de 2009

É possível!

Já vi e ouvi muito nesse mundo, mas nunca imaginei um dia estar frente à frente a uma ilustre figura como a de agora. Refiro-me ao engenheiro Marcus Pontes, conhecido como o “astronauta brasileiro”. Selecionado, ele acompanhou uma das missões espaciais internacionais, chamada de Missão Centenária, juntamente com outros astronautas.

Citei-o porque assisti, acompanhada da minha família, a sua recente, interessante e didática palestra, proferida na Escola Técnica Liberato, por ocasião da renomada Feira de Ciência e Tecnologia Internacional, organizada anualmente pelo Educandário.

“É possível!”. Com estas duas palavras de incentivo e relembrando sua mãe, Marcus Pontes deu início à palestra, estimulando a todos, especialmente os jovens, entre crianças e estudantes.

Sinceramente, ganhamos o dia!

A cada ponto exposto pelo palestrante, minha memória voava à infância, principalmente quando meu saudoso pai trouxe para casa um jornal mostrando tudo sobre a viagem do homem à Lua, em julho de 1969. Na nossa casa não havia TV naquela época...

“Senti Deus mais infinito lá em cima”, disse Marcus; gostei de ouvir e me impressionei.

Outro fator interessante na postura do conferencista e sua assessoria foi o carinho pelas crianças, a ponto de acomodá-las nas primeiras filas, facilitando a atenção dos pequeninos, cujos olhos brilhavam concentradamente...

De origem modesta e dono de surpreendente humildade, o nosso astronauta encantou a todos com a sua simpatia, preparo e facilidade em explanar a proposta daquele instrutivo painel, especialmente quanto aos detalhes observados na missão.

Destacou, por exemplo, o por e nascer do sol por dezesseis vezes no mesmo dia, em virtude da espantosa velocidade da espaçonave em torno do planeta: uma volta a cada noventa minutos.

O treinamento dos astronautas, exige forças quase sobre humanas, pois excede limites, a fim de capacita-los às situações adversas, ou seja, incomuns do dia-a-dia em terra firme.